Gestantes estão entre o público-alvo da campanha (Foto: Fabiano Lopes)
Gestantes estão entre o público-alvo da campanha (Foto: Fabiano Lopes)

Diante do baixo índice de vacinados entre idosos, crianças, gestantes, indígenas, doentes crônicos, profissionais de saúde e a população carcerária — os chamados grupos prioritários — durante a atual campanha de imunização contra a gripe na Paraíba, a Secretaria de Estado de Saúde decidiu prorrogá-la até o próximo dia 5 de junho.

Até o meio-dia desta sexta-feira (22), apenas 45,64% da população prioritária foi vacinada na região, porcentagem abaixo dos 80% da meta do Ministério da Saúde.

Os maus resultados da campanha, no entanto, não apareceram apenas na Paraíba. Em todo o Brasil, a campanha atingiu 38,6% do público-alvo. Por isso, o Ministério da Saúde determinou que cada estado pode escolher um novo prazo para o fim do período de vacinação.

“A orientação do Núcleo é que durante os próximos dias, as prefeituras busquem ativar os públicos-alvo para que a meta seja cumprida”, alerta a chefe do Núcleo de Imunização, Isiane Queiroga.

A vacina é capaz de imunizar contra os três subtipos de vírus da gripe que mais circularam no último inverno: A/H1N1, conhecida como gripe suína, a A/H3N2; e a influenza B. As únicas contraindicações são a alergia aos seus componentes, principalmente à proteína do ovo, e os portadores de doenças neurológicas em atividade. Recomenda-se que aqueles com sintomas de gripe, estado febril e dengue esperem a sua melhora antes de se vacinar. É importante levar o cartão de vacinação e o documento de identificação para receber a dose.

Neste ano, a campanha nacional do Ministério da Saúde recebeu o slogan “Contra a gripe, seu escudo é a vacinação”. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a vacinação é a forma mais eficaz para prevenir a gripe e suas complicações.