Universidade Federal de Campina Grande
Universidade Federal de Campina Grande

Por uma diferença de apenas cinco votos, os professores da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) decidiram não deflagrar greve por tempo indeterminado. A assembleia descentralizada realizada na manhã desta segunda-­feira (25), nos Campi de Campina Grande, Cuité, Sumé e Pombal registrou um resultado de 178 a 174, além de quatro abstenções, para que a suspensão das atividades não iniciasse na próxima quinta-feira (28). Ao mesmo tempo foi confirmada a adesão à paralisação nacional na próxima sexta-­feira (29).

Segundo a diretoria social da Associação dos Docentes da UFCG (Adufgc), Elisângela Porto Sales, existe uma insatisfação geral por parte dos professores em relação a maneira que o Governo Federal tem conduzido as negociações, entretanto, a maioria entendeu que este não é o momento certo para ser iniciada uma greve, já que muitos docentes argumentaram que a interrupção dos serviços pode causar mais problemas do que ganho para a categoria. Vários estudantes da instituição também compareceram ao ginásio de esportes onde o encontro foi realizado.

“Não aconteceu uma única fala contra a greve”, ressaltou Elisângela. Mas os professores entenderam que este não o momento certo. Como o país vem enfrentando um período financeiro muito difícil, eles argumentaram que era melhor esperar mais um pouco, ver se as negociações avançam em algum sentido e assim, em outro momento, discutir novamente sobre se a greve é a melhor decisão”, disse.

O reitor da UFCG, professor Edílson Amorim, comemorou o resultado da assembleia. De acordo com o reitor, a suspensão das atividades num cenário de dificuldade financeira que o país enfrenta não apresenta perspectiva de ganho para os docentes. “Se o resultado fosse favorável a greve seria uma decisão inoportuna. O Brasil vem passando por momentos difíceis e é preciso levar isso em consideração”, classificou Edílson Amorim.

UFPB decide sobre adesão nesta quarta

Após aprovar um indicativo de greve no último dia 13, os professores da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) decidem se deflagram ou não o movimento na próxima quarta­-feira (27). A adesão dos professores à paralisação nacional desta sexta-­feira, entretanto, já está confirmada.

Jornal da Paraíba