O governador João Azevêdo anunciou nesta segunda-feira (29), a redução do preço do Gás Natural Veicular (GNV), do Gás Natural Comprimido (GNC) e do gás natural fornecido para 41 indústrias instaladas na Paraíba. Com as últimas altas no preço da gasolina e do álcool, a competitividade do GNV retorna ao patamar de mais de 30% em relação à gasolina e 40% em comparação ao etanol.

Com base nos estudos internos, a PBGás identificou a possibilidade da redução de 1% das tarifas do GNV e de 0,45% na tarifa do segmento industrial a partir do dia 1º de maio. Já as tarifas dos segmentos de varejo (Comercial e Residencial) não serão alteradas e permanecem as mesmas até fevereiro de 2020, em razão da política de reajustes anuais adotada pela PBGás desde maio de 2018.

Competitividade – No atual cenário de alta no preço da gasolina e do álcool, o uso do GNV retoma a sua competitividade histórica que mantém desde a sua implantação há 20 anos na Paraíba. Atualmente, quem abastece com GNV tem uma economia de mais de 30% se comparado à gasolina e 41% em relação ao etanol em João Pessoa. Em Campina Grande, a economia do GNV é de 24% em relação à gasolina e 35% ao etanol.

Somente nos últimos 2 meses, a gasolina já sofreu um reajuste de aproximadamente 28% na região metropolitana de João Pessoa, levando um aumento de preço na bomba de mais de 60 centavos por litro. Já o GNV mantém seu preço estável desde novembro de 2018, e agora terá uma redução, o que representará uma economia ainda maior em relação aos outros combustíveis.

Indústria – Em relação ao segmento industrial, a PBGás também anuncia uma redução em sua tarifa de 0,45%, o que é significativo para o segmento manter a competitividade de seus produtos num cenário delicado da economia do país. Levando em conta o volume de uma indústria de grande porte, a economia em um mês será de R$ 34 mil na conta do gás, o que é bastante relevante para a competitividade do negócio.

A utilização do gás natural nas indústrias vem proporcionando benefícios significativos como a praticidade do fornecimento contínuo, a segurança de não precisar estocar combustível e economia, além de ajudar o meio ambiente com a emissão de menos gases poluentes. Esses atributos fazem do gás natural um energético muito prático, seguro e diferenciado em comparação aos seus concorrentes no segmento, como óleo combustível, diesel e GLP que sofreram significativos reajustes no período, enquanto o gás natural anuncia redução pelos próximos 3 meses.