Colheita da cana de açúcar em Mato Grosso. (Foto: Mayke Toscano/Gcom-MT)

Ministério da Agricultura vai liberar nos próximos dias o registro de novos agrotóxicos. A lista será publicada no Diário Oficial da União. Muitos são genéricos. A novidade é o Fluopiram, produto considerado mais eficiente e menos tóxico. Segundo a pasta, o composto espera liberação há cerca de 10 anos.

Ele é usado para combater fungos nas culturas de batata, café, cana, milho e soja e fungos nas culturas de algodão, feijão, e soja. “É uma nova opção para o controle de nematoides, que são pragas muitas vezes invisíveis, mas que podem causar grandes danos à agricultura, além de ser um produto menos tóxico do que os já existentes no mercado”, disse o coordenador-geral de Agrotóxicos e Afins do Ministério da Agricultura, Carlos Venâncio.

O ministério afirma que estão sendo adotadas medidas “desburocratizantes” para diminuir a fila de registros de defensivos agrícolas. De acordo com o órgão, há mais de 2.000 produtos esperando avaliação. O prazo legal para a liberação é de 4 meses. No entanto, há alguns que estão na fila há mais de 10 anos.

Para serem registrados, os pesticidas devem passar pela aprovação de 3 órgãos:

  • Anvisa – que avalia os riscos à saúde humana;
  • Ibama – que analisa os impactos ambientais;
  • Ministério da Agricultura – que avalia a eficiência agronômica. É a pasta que formaliza o registro.

Segundo o governo, os 3 órgãos foram reorganizados e tiveram servidores realocados para liberar mais agrotóxicos.

O ministério já liberou o uso de 262 novos produtos em 2019.

De janeiro a setembro de 2018 –ano em que foi registrado recorde de autorizações–, 302 agrotóxicos haviam sido permitidos.

Produtos para exportação
O governo liberou nesta 2ª feira o uso de 2 pesticidas exclusivamente para exportação à Comunidade Europeia. O 1º é o azadiractina, usado para tratamento de mudas de cana-de-açúcar. O 2º é o espinetoram, usado para o tratamento de dipladênia, 1 tipo de flor trepadeira.

A liberação foi publicada no ato nº 61 do Diário Oficial. O documento (íntegra) foi assinado por Carlos Venâncio, coordenador-geral de agrotóxicos e afins no ministério.

Redação ManchetePB
com Poder 360