Diretor Alexandre Mattos se esforçou para manter principais nomes do time campeão de 2018 e agora corre para “fazer caixa”

Para manter seus principais atletas do time campeão brasileiro de 2018 para 2019, o Palmeiras precisou abrir os cofres. Para renovar com Dudu, Bruno Henrique, Victor Luís e Thiago Santos, o Alviverde aumentou a sua folha salarial em mais de R$ 600 mil – considerando apenas a parte registrada em carteira. Com luvas e direitos de imagem, esse total está na casa de R$ 1 milhão. Além disso, o time precisou cumprir o contrato com Miguel Borja ao dar um aumento de R$ 45 mil para o atacante colombiano. Jean também teve seu contrato renovado, mas não ganhou aumento.

Para aliviar um pouco os gastos, o Alviverde mandou Alexandre Mattos para a Europa em busca de negociações que possam render lucro ao clube. Garotos da base podem ser negociados, a exemplo de Vitão, especulado pelo Jornal Marca como reforço para o Barcelona. Além disso, o clube tenta dispensar atletas que não têm espaço, como Artur,
que foi para o Bahia, e Allione, negociado com o futebol argentino. Nico Freire, que ganhava R$ 170 mil e nunca jogou uma partida oficial, também foi dispensado.

Do Uol