Com 113 profissionais, de diversas áreas, responsáveis por levar atendimento de qualidade a população, a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Guarabira chegou aos seus sete anos de funcionamento na última segunda-feira (26) com muitos motivos para festejar.

A unidade hospitalar foi inaugurada em 2010, pela Prefeitura Municipal de Guarabira, com recursos do Governo Federal, no entanto, apenas em 2011, após o Governo do Estado assumir a responsabilidade em meio a uma crise no atendimento pediátrico na região, que a UPA abriu suas portas e desde então é referência nesse tipo de atendimento para 26 cidades cidades da região além de Guarabira.

Além do serviço direcionado às crianças e clínico, a unidade contempla serviços de urgência, emergência, exames laboratoriais e de imagem, funcionando 24 horas por dia durante toda a semana.

O diretor da Unidade, Júnior Fernandes, comentou sobre a responsabilidade da UPA na saúde de Guarabira e na região, desde a sua ativação. “Nós temos pediatras especializados, e profissionais atendendo em várias áreas. Nós estimamos uma média de 7 mil atendimentos por mês”, comentou.

Ele destacou também a parceria com o Hospital do Coração, em São Paulo, que recebe exames de pacientes da unidade e contribui para o diagnóstico de doenças cardíacas “Nós fazemos os exames aqui, e enviamos para São Paulo, onde após análise, os pacientes possam ser encaminhados a hospitais de referência do setor”.

Presente no governo Ricardo, durante o começo dos trabalhos na Unidade, o ex-secretário de Comunicação, Célio Alves, também falou da importância da Unidade e destacou que boa parte dos atendimentos realizados na Unidade, deveriam ser de responsabilidade da atenção básica nos Postos de Saúde do município.

“A UPA oferece atendimento pediátrico, além de atender outros públicos, suprindo a aquela lacuna que existia lá atrás com o fechamento da Casa de Saúde e Maternidade Senhora da Luz, e o Ministério Público, atestou ainda no ano de 2013, que a Unidade faz 80% do seu atendimento para perfis não são de sua responsabilidade ou seja, são paciente que deveriam receber atendimento em PSF’s, mas com a falta de médicos eles acabam recorrendo a UPA”, destacou Célio.

Ainda segundo ele, os investimentos públicos na unidade ultrapassam os R$ 800 mil por mês. “O investimento mensal é de R$ 819 mil reais, bancados exclusivamente pelo Governo do Estado”, declarou.

Texto: Joab Freire
Fotos: Everton Douglas